11-12-2015 2

CEI sobre alça do Shopping Taboão realiza terceira audiência e anuncia recesso


A Comissão Especial de Investigação (CEI) que apura as razões da não instalação da alça de saída do Shopping Taboão em direção a Embu das Artes realizou a terceira audiência para discutir o tema no dia 10. Durante os trabalhos os vereadores apresentaram os  documentos obtidos junto ao Ministério Público Federal, prefeitura e órgãos oficiados anteriormente.

 

  1. integrantes da CEI deliberaram que vão aproveitar o recesso parlamentar para estudar a documentação e na volta dos trabalhos vão começar a fase de oitivas. Os discursos deixaram claro que a comissão vai basear essa parte dos trabalhos num documento firmado entre a prefeitura e o shopping em 1º de junho de 2012.

 

A presidente da Comissão, vereadora Érica Franquini, afirmou ter informações do prefeito Fernando Fernandes dando conta que o processo de municipalização da Rodovia Régis Bittencourt, no trecho de Taboão da Serra está bastante adiantado. Ela antecipou que caso isso aconteça a comissão vai brigar para que o shopping execute todas as obras viárias de intersecção da rodovia e de contenção dos alagamentos.

 

“O shopping deve isso a nossa cidade. Caso a BR seja municipalizada podemos trocar a alça pelas obras que são necessárias para melhorar o trânsito e acabar com os alagamentos”, afirmou Érica Franquini.

 

O presidente da Câmara Municipal, vereador José Aparecido Alves, o Cido, lembrou que em visita recente à região o Ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues garantiu a realização de várias obras viárias na BR. Para o presidente se a municipalização acontecer o dinheiro da alça deve ser doado ao município para ser aplicado na saúde, por exemplo.

 

Eduardo Nóbrega disse que ao final da CPI será preciso responder se o shopping tinha responsabilidade de construir a alça. Quem facilitou a não construção. Quem deixou de fiscalizar. Quem liberou alvará sem a alça. Quem permitiu as expansões.

 

 “Nesse sentido é preciso lembrar que a comissão tem poderes para ouvir qualquer pessoa. A decisão da presidente de só fazer as convocações depois de analisar os documentos é correta, até pra gente saber o que perguntar. É muito claro que o shopping tinha que construir a alça e em nenhum momento eles negam essa obrigação. Mas alguém não cobrou isso. Deram o alvará, assinaram documento e não falaram em prazos”, observou Eduardo Nóbrega.

 

 

 

 

social position